Manutenção é investimento!

A aplicação de um processo de manutenção preventiva adequado trás inúmeros benefícios, como redução no consumo de energia elétrica, aumento do tempo de vida útil dos equipamentos, redução de custos com manutenções corretivas, redução de faltas e afastamento dos colaboradores, entre outros.

A manutenção da qualidade do ar engloba serviços, como a higienização robotizada dos dutos de insuflação; descontaminação microbiológica completa, teste gravimétrico, diagnóstico da qualidade do ar e muito mais. Serviços que demandam um alto nível de capacitação técnica.

Com a análise dos sistemas e estruturação de um processo de manutenção robusto e personalizado, conseguimos planejar os custos de forma antecipada, além de melhorar a eficiência dos sistemas gerando redução de consumo de energia.

A grande questão é como garantir a qualidade do ar em interiores se a manutenção ainda é encarada pelo mercado brasileiro somente como um custo e não investimento no bem estar e saúde?

Houve no mercado um pequeno aumento da preocupação por parte dos gestores em relação à manutenção dos sistemas de climatização. Esse aumento não deixa de ser bom, mas evolui a passos curtos em relação aos Estados Unidos e Europa. As empresas começaram a se preocupar mais e buscam serviços de qualidade que atendam as suas necessidades, mas ainda falta muito para o mercado evoluir. Alguns setores fizeram com que a aplicação do PMOC se tornasse mais rígida, principalmente aqueles com maior incidência de contaminação, como hospitais, salas limpas e laboratórios.

Os órgãos fiscalizadores (COVISA – Coordenação de Vigilância em Saúde, prefeituras e outros órgãos da vigilância sanitária) entendem que a qualidade do ar de interiores representa um fator importante para a saúde pública e, com isto, as vistorias e fiscalizações de estabelecimentos comerciais têm se intensificado. As exigências têm sido observadas em sua integridade, tais como a correta emissão de relatórios, a responsabilidade técnica reconhecida pelo CREA – Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura, além da qualidade da manutenção prestada. O não cumprimento deste Regulamento Técnico configura infração sanitária, de acordo com a Lei n.º 6.437 e os valores podem chegar até R$ 200.000,00

Sem dúvida há falta de conscientização dos gestores e administradores das organizações públicas e privadas. A LGA tem disponibilizado matérias informativas em nossos canais e site para conscientização de gestores e administradores públicos sobre a importância de um bom programa de manutenção, e oferecido também um levantamento técnico gratuito para a apresentação de um programa mais eficiente de manutenção preventiva.

Rolar para o topo